sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

ENEM: O filtro oficial da elitização da educação pública



Raios. Relâmpagos. Trovões.
Gritos e ranger de dentes.
Babado, gritaria e confusão.

Três enunciados que definem exatamente o dia 18 de janeiro de 2017, dia do resultado do ENEM, que mais uma vez segue a tradição anual: milhares de notas zero, milhares de estudantes de baixa renda com nota insuficiente para entrar na tão famigerada universidade pública, gente chorando, comendo as próprias unhas porque um dos maiores medos é vestir o uniforme de praças de alimentação ou morrer de fome. Ah e não menos importante dos ritos: estudantes que passaram a vida toda em escolas privadas, classe média alta, garantindo suas vagas nas universidades públicas.

Eu, enquanto estudante do ensino público, eu não tenho outra opção que não seja concluir que o Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, seja um gigantesco filtro parte de um processo chamado elitização do ensino público de qualidade.

Uma das grandes e maiores lendas urbanas desse país, é "Universidade Pública para todos". Não é para todos, é para quem teve condições - que deveriam ser direitos -é para quem teve o luxo de estudar. Já falei mais sobre isso nesse texto aqui.

Falando assim, parece texto dos anos 70, mas isso é BEM atual. Com uma taxa altíssima de analfabetos, um índice gigantesco de evasão no ensino fundamental e médio, não é de se esperar menos, estudantes do ensino público reprovados num exame que teoricamente foi feito para eles. Porque o ENEM  com cotas raciais e cotas de baixa renda, foi a carta capital para o ingresso dos menos favorecidos na universidade. Uma pena, que isso não foi suficiente.

Para completar, nosso atual ministro da fazenda, Henrique Meirelles, diz, que as reformas em tramitação e as reformas já aprovadas são necessárias para colocar o Brasil nos trilhos novamente. E claro, que teria uma réplica. Mas não foi uma simples réplica, e sim, de uma diretora do FMI, Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde que arrematou: "Não sei por que as pessoas não escutaram (que a desigualdade é nociva), mas, certamente, os economistas se revoltaram e disseram que não era problema deles. Inclusive na minha própria instituição, que agora se converteu para aceitar a importância da desigualdade social e a necessidade de estudá-la e promover políticas em resposta a ela" - (leia mais sobre aqui)

Não é lindo, como as coisas fluem nessa novela brasiliense? Uma queima de arquivo na nossa cara, resultados das instituições federais indo pro espaço em 2016 - artimanha para aprovar a medonha Reforma do Ensino Médio - e uma República decaindo cada vez mais sempre que vaza um ou mais áudios na mídia brasileira.

Esse novo período político tem cada vez mais dado as costas para a educação e promovendo um marketing glorioso para seus recursos de batalha, como o ENEM, usado como instrumento de filtragem para formar cidadãos graduados. Como se já não bastasse turmas de 45 pessoas, formarem 4 alunos.

Arrematando como sempre, digo que educação deveria ser um direito universal, mas isso nos parece cada vez mais distante nesse caos ensurdecedor que ecoa nos subúrbios e nos corredores das escolas públicas brasileiras.

8 comentários:

  1. Olha eu poderia escrever textão, mas você falou clara, sucinta e fodástica! Faço suas as minhas palavras! Tenho exatamente esse pensamento do ensino engessado que se tornou o do Brasil nesses últimos anos, e, mesmo estando dentro de uma universidade publica, temo por aqueles que almejam ingressar nelas. Porque lá dentro daqui uns anos com toda essa reforma do ensino médio e o teto para gastos públicos que já foi aprovado, será um lugar inabitável, ou habitável somente por uma classe que teve a sorte (ou destino) de estudar numa escola privada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadíssima pelos elogios, e tu tem toda a razão sobre o teto de gastos. E eu tava pensando que esse país ia pra frente...

      Beijão e volte sempre <3

      Excluir
  2. bah, que TEXTO incrivel! so pelo titulo ja sabia que eu iria curtir. To bem chateada com essa reforma que vem vindo, sabe? As coisas estao indo de mal a pior....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz por ter gostado do texto. Sinto sua dor, tá mesmo indo de mal a pior

      mas não podemos nos calar

      Beijão

      Excluir
  3. MINHA NOSSSSA que textão incrível. É horrível o que tá acontecendo no país e se eu pudesse andava com esse texto tatuado em mim, por que precisa ser compartilhado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitíssimo obrigada pelos elogios, fico muito feliz que tenha gostado.

      Volte sempre por aqui :*

      Excluir
  4. Oi Gabriele, que texto mais lúcido! Concordo com cada uma das tuas palavras. Penei bastante pra conseguir uma bolsa de estudos com nota do ENEM e vi muitos amigos inteligentíssimos e sem condições de pagar uma facul sem a mesma oportunidade - além de todos os motivos que tu citou no post, vale lembrar que a prova do enem é absolutamente desgastante e não serve como instrumento para medir quem pode ou não cursar uma faculdade gratuitamente. Agora as coisas ficarão ainda piores e se as chances já eram ruins antes, tenho medo de pensar no que está por vir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Dá um calafrio na espinha só de pensar. Fico feliz por ter apreciado meu texto, gratidão.

      Excluir

Comente aqui! - Spams são excluídos pela Gabi!

Curta no facebook

Siga o blog por e-mail!